Itapetinga Acontece

Vinte e quatro municípios do interior da Bahia com Unidades de Pronto Atendimento (UPA) dedicadas a pacientes suspeitos de coronavírus (Covid-19) receberão 26 ambulâncias do Governo do Estado. A ação reforça o combate à epidemia e dá mais segurança e agilidade, caso haja necessidade de transferências para unidades de maior complexidade.
O secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, afirma que foram investidos cerca de R$ 4 milhões na aquisição dos veículos do tipo picape. “Já entregamos 12 unidades e nesta semana faremos as demais entregas, que foram uma determinação do Governador Rui Costa”, ressalta o secretário,
Os municípios contemplados são: Alagoinhas, Barreiras, Brumado, Camacan, Conceição do Coité, Cruz das Almas, Esplanada, Gandu, Ilhéus, Ipiaú, Irecê, Itabuna, Itacaré, Jaguaquara, Jequié, Juazeiro, Lauro de Freitas, Morro de Chapéu, Paulo Afonso, Porto Seguro, Santa Maria da Vitória, Serrinha, Tucano e Itaparica.

saude.ba.gov

Governo da Bahia entrega mais 26 ambulâncias picape para reforçar o combate ao coronavírus no interior


Um grave acidente foi registrado na estrada que liga Vitória da Conquista ao município vizinho de Barra do Choça, nas proximidades do povoado de Santa Branca, na tarde deste domingo (17).
De acordo com as informações, um carro de Vitória da Conquista capotou na estrada. Informações preliminares dão conta de que existe pelo menos uma vítima fatal. 
Outras informações sobre feridos ainda não foram divulgadas.
preliminares apontam que houve uma vitima no entanto não foi informado se houve mais feridos nesse acidente.


Conquista/Barra do Choça:Grave acidente é registrado com vítima fatal


De acordo com informações colhidas no site da prefeitura de Itapetinga, foi registrado novo caso positivo para Covid-19,trata-se de uma senhora de 59 anos. 

Ainda de acordo com as informações,a mulher começou a apresentar sintomas como febre, tosse, cefaléia, coriza, mialgia, diminuição de olfato e paladar.

No dia 11 de maio, ela fez em laboratório, o exame de RT-PCR que testou positivo para Covid. A paciente já apresenta melhora nos sintomas, permanecendo apenas com espirros, tosse e coriza (sintomas ligados à rinite alérgica, doença pré-existente).

Agora, Itapetinga registra um acumulado de 10 casos confirmados segundo a Sesab (a Secretaria Municipal registra 7 casos, visto que não foi responsável pela testagem de 3 dos pacientes registrados pelo Governo do Estado). Seis desses casos já estão curados.



Itapetinga:Mulher testa positivo para Covid-19: o município agora registra 10 casos confirmados

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, entrou em isolamento social neste sábado (16) após um servidor com quem teve contato na última quarta-feira ter testado positivo para o coronavírus.




Band Jornalismo

Hamilton Mourão faz teste de covid-19 e está isolado


A partir de hoje (16), entra em operação um sistema desenvolvido pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), que integra bases de dados epidemiológicos e laboratoriais dos governos federal, estadual e municipais. Este é mais um esforço do Governo para apresentar dados confiáveis e precisos no monitoramento dos casos suspeitos e positivos de coronavírus (Covid-19) na Bahia.​
​De acordo com o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas “Desde 27 de março, o antigo sistema denominado RedCap, desenvolvido pelo Ministério da Saúde para notificações, foi substituído pelo novo e-SUS, no entanto, os estados não conseguiam acessar as informações nominais notificadas no novo sistema, resultando no acúmulo de casos que ninguém conseguia visualizar”, afirma o secretário. Ainda de acordo com o titular da pasta da Saúde, esse problema do sistema está sendo experimentado por todos os estados do país e apenas a Bahia e mais três outros estados conseguiram desenvolver uma solução tecnológica que permitisse consolidar as bases. ​
​Anteriormente, os boletins epidemiológicos divulgados contabilizavam apenas os dados recebidos pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais, sem que isso, necessariamente, representasse a totalidade das notificações. “A partir de agora será possível baixar e integrar as diferentes bases de dados do Ministério da Saúde e consolidá-las com as bases do estado e dos municípios de forma confiável”, explica Vilas-Boas.​
​É importante destacar que o resultado será uma mudança para cima no patamar de casos notificados, que refletirão não mais apenas os casos confirmados laboratorialmente, mas também todos os casos confirmados por critério clínicos, testes rápidos e testes realizados em unidades privadas. ​
​A diretora da Vigilância Epidemiológica da Bahia, Márcia São Pedro, explica que é competência e responsabilidade dos municípios acessar o sistema e-SUS para fechar as investigações epidemiológicas, ou seja, validar, corrigir ou descartar os casos lançados”, pontua.​
​Critérios para os exames da Covid-19​
​No Sistema Único de Saúde (SUS), a coleta de amostras para a realização do exame RT-PCR, que é o padrão ouro para a identificação do genoma viral, deve ocorrer em cinco situações: pacientes internados com suspeita de coronavírus, independente da gravidade; pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG); profissionais de saúde com síndrome gripal suspeitos de Covid-19 ou que tenham tido contato com casos confirmados de coronavírus, mesmo que assintomáticos; pacientes que foram a óbito com suspeita de Covid-19, cuja coleta não pôde ter sido realizada em vida; e em indivíduos institucionalizados durante investigação de surtos da doença.​
​Já o teste rápido, que detecta os anticorpos, deve ser utilizado em pacientes com quadro clínico-epidemiológico compatível com a Covid-19; profissionais de segurança pública e de saúde em atividade, independente de sintomas; contato domiciliar de profissional de saúde ou de segurança pública em atividade, independente dos sintomas; pessoas com 60 anos ou mais, sintomáticos ou não, residentes em instituições de longa permanência de idosos ou portadores de comorbidades de risco para complicação da Covid-19.

Sesab

Sesab desenvolve sistema que integra bases de dados epidemiológicos do país


Mais 30 leitos exclusivos para o atendimento ao coronavírus (Covid-19), sendo dez de UTI e 20 clínicos, foram contratados pelo Governo do Estado no Instituto Brandão de Reabilitação (IBR), instituição privada sediada em Vitória da Conquista. Eles se juntam aos 40 leitos do Hospital de Clínicas de Conquista, o que totaliza 70 leitos dedicados aos pacientes da região. Por mês, o investimento estadual supera os R$ 2,6 milhões em contratos assinados.

De acordo com o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, “o Governo do Estado está arcando com os custos integrais dos contratos com o IBR e com o Hospital de Clínicas de Conquista, uma vez ainda não há financiamento do Ministério da Saúde para os leitos de UTI exclusivos ao Covid-19 nessas unidades”, afirma o secretário, ao pontuar ainda que não há atendimento por demanda espontânea, apenas via Central Estadual de Regulação.

Segundo a diretora de Controle de Ações de Serviços da Saúde da Sesab, Naia Lucena, o IBR é uma entidade privada, que já prestava serviços ao SUS desde 2012 nas áreas de cardiologia, neurologia e neurocirurgia. “É importante deixar claro que o IBR não está deixando de atender à todas as outras especialidades que já oferecia. É uma unidade importante porque atende a diversas regiões do Estado, por meio do sistema de regulação”, explica a diretora. O contrato com o IBR foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado em 7 de maio.

Além disso, o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC) também oferta leitos exclusivos à Covid-19. Ao todo 45 leitos serão abertos progressivamente, sendo 21 de UTI.

Sesab

Governo da Bahia investe mais de 2,6 milhões por mês com 70 leitos de Covid-19 em Vitória da Conquista

     Imagem/Agência Brasil


A mobilização dos senadores pelo adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcadas para novembro de 2020, vem ganhando força. Preocupados com a desigualdade no ensino a distância e as condições sanitárias para aplicação das provas, reitores de 63 universidades federais, representados pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), divulgaram carta, nesta quinta-feira (14), em que reforçam a necessidade da definição de novo calendário a partir de diálogo com os educadores.

“A Andifes, reafirmando ser fundamental a realização de um Enem tecnicamente exitoso e com concorrência democrática, propõe a suspensão das datas e que, em condições razoáveis de segurança sanitária e equidade, seja possível definir um novo calendário”, diz a nota.

Servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do Enem, também assinaram um manifesto em que 38 entidades ligadas à educação pedem ao governo a suspensão do calendário. O principal argumento é que, com a suspensão das aulas provocada pela pandemia de coronavírus, estudantes sem acesso à internet e sem aulas presenciais terão sua performance no exame prejudicada. Além disso, a Secretaria de Controle Externo da Educação do Tribunal de Contas da União (TCU) deu parecer favorável à mudança de cronograma na última segunda-feira (11).

Até o momento, no entanto, o Ministério da Educação (MEC) mantém as datas do Enem 2020. As inscrições para o exame foram abertas em 11 de maio e, até a tarde desta quinta (14), o Inep havia registrado quase 2,8 milhões de inscritos.

Reação parlamentar
Presidente da Comissão de Educação (CE), o senador Dário Berger (MDB-SC) ponderou que as condições de preparação para o exame são insuficientes, principalmente para estudantes de escolas públicas e de cidades do interior. Em entrevista à Rádio Senado nesta sexta-feira (15), Berger sugeriu ao governo que consulte as secretarias estaduais de educação para confirmar os impactos da pandemia na aplicação dos conteúdos e ratificar a necessidade de um novo cronograma para as provas.

“Os estudantes mais pobres sofrerão as piores consequências. Neste momento, é adequado e de bom senso o adiamento do exame, inclusive pelo pouco tempo de implantação do ensino a distância em alguns estados. Muitas escolas sequer conseguiram implantar o sistema", afirmou na entrevista.

O senador Fernando Collor (Pros-AL) destacou que “mesmo com números expressivos de inscritos, divulgados pelo MEC, há uma forte corrente contrária à realização das provas, por conta da pandemia”. Ele lançou enquete no Twitter nesta quinta-feira (14), e, até esta sexta-feira (15), das 2.193 respostas à pergunta,  22,5% concordam com a realização das provas em novembro. E 77,5% são contrários à manutenção do calendário. Assim como Collor, os senadores Weverton (PDT-MA) e Simone Tebet (MDB-MS) pediram que seus seguidores se manifestassem, por entenderem que uma série de estudantes não está em condições de se preparar para o Enem.

Impasse
No começo de maio, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em audiência na comissão que acompanha as ações do governo de enfrentamento à covid-19, declarou aos líderes partidários do Senado que o Enem não seria adiado. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro já cogitou a possibilidade de mudanças. Ele recebeu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, na quinta-feira para tratar, entre outros temas, do adiamento do exame. Maia narrou a impressão dos parlamentares sobre o tema, e disse que o presidente da República “ficou de avaliar” a questão.

“Um pleito importante que fiz ao presidente, e ele ficou muito sensível, ficou de dar uma resposta”, disse Rodrigo Maia.

Desigualdade
Contrários à opinião do ministro da Educação de que o Enem não tem como objetivo a justiça social, diversos senadores alertaram para a falta de estrutura para que alunos de escolas públicas, de baixa renda e do interior do país de se preparem adequadamente para as provas e ter sua performance comprometida.

A senadora Leila Barros (PSB-DF) observou que somente 36% dos alunos da rede pública têm acesso à internet em casa. Nas classes D e E, segundo ela, seis em cada dez alunos sequer têm computador. Leila ressaltou que, além dos parlamentares, há apelos de escolas públicas e de universidades pela remarcação das provas. Para a parlamentar, insistir com a manutenção do calendário do Enem é apostar no crescimento da desigualdade.

“O adiamento é necessário para que nenhum estudante seja prejudicado pela pandemia, principalmente os mais carentes”, defendeu, em sua conta no Twitter.

O senador Paulo Paim (PT-RS) foi além e chegou a dizer que o cancelamento das provas seria uma “medida justa”. Nas redes sociais, o senador gaúcho apontou que, além de prejudicar os estudantes de escolas públicas, a manutenção das datas do exame resultará em “enormes prejuízos para pobres e negros que vivem nas periferias e não têm acesso à internet”.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a insistência do governo em manter o calendário é um ato de “irresponsabilidade e covardia”.

“Favorecerá os privilégios, agravará desigualdades. Não podemos aceitar. Já acionamos a justiça e faremos o que for necessário”, escreveu o senador, no Twitter.

Projetos
Senadores — entre eles Izalci Lucas (PSDB-DF), Daniella Ribeiro (PP-PB) e Jader Barbalho (MDB-PA — já apresentaram propostas legislativas para tratar do assunto. O projeto de lei de Daniella (PL 1.277/2020) prevê a prorrogação automática de prazos para provas, exames e demais atividades para acesso ao ensino superior sempre que houver reconhecimento de estado de calamidade pelo Congresso Nacional ou de comprometimento do funcionamento regular das instituições de ensino do país.

“Desde 2 de abril, quando fiz o PL, venho lutando. É inadmissível a manutenção das datas, quando muitos estudantes não têm acesso à internet ou a aparelhos para assistirem aula. Isso aprofunda ainda mais a desigualdade”, escreveu Daniela Ribeiro em sua conta no Twitter.

Já os projetos de Decreto Legislativo apresentados por Izalci  (PDL 137/2020) e Jader (PDL 218/2020) suspendem os editais deste ano, tornando-os inválidos. Para Jader, a insistência do Ministério da Educação em manter as datas das provas pode provocar prejuízos e acentuar desigualdades entre ricos e pobres, já que o conteúdo escolar não está sendo visto por grande parte dos estudantes brasileiros, que não têm acesso a computadores.

“Precisamos lembrar que as aulas estão interrompidas e não há data para retorno. Lembremos que apenas 36% dos alunos da rede pública no país têm acesso à internet em casa, ou seja, a cada dez alunos, seis não têm como estudar. É desumano pressionar esses estudantes neste momento de luto no Brasil”, disse Jader.

Fonte: Agência Senado

Senadores ampliam mobilização por adiamento do Enem 2020

(Imagem/Reprodução Youtube)

A Caixa vai começar a pagar a segunda parcela do auxílio emergencial na segunda (18). Nessa sexta (15), sai mais um lote da primeira parcela, mas ainda não se sabe para quantos dos 14 milhões de pedidos em análise.

BAND JORNALISMO


Auxílio emergencial: 2ª parcela começa a ser paga dia 18/05;vídeo

     (Imagem Reprodução/Youtue/Fatos Desconhecidos)

Uma das únicas certezas que você terá na vida, é que um dia irá morrer. E, mesmo que seja uma ideia perturbadora, é assim que as coisas funcionam. Mas você sabe o que acontece depois que morremos? Não estou falando de nada espiritual, mas sim do processo de apodrecimento que seu corpo passa depois que você morre.




Fatos Desconhecidos

As coisas que acontecem com seu corpo após a morte



Recebemos a triste notícia de que a Prefeitura de Itapetinga-Bahia decidiu dispensar os profissionais contratados,a mensagem da dispensa ocorreu via WhatsApp.

A justificativa é de que o contrato foi encerrado pra que possam ser feito essa questão do cadastro do "AUXÍLIO EMERGENCIAL" .

"ATENÇÃO

Solicitamos aos gestores avisar aos funcionários contratados que a prefeitura cancelou o contrato de serviço a partir de 01/05/2020. Isso permitirá que possam pleitear o auxílio federal de 600 a 1200 reais."

Segundo informações, no mês de março os contratados teriam recebido o salário integral mesmo com a categoria parada,já no mês de Abril receberam uma ajuda de custo no valor de R$ 300,00 a 360,00 reais.



O problema foi o momento e a forma como a dispensa foi feita,os profissionais foram dispensados inesperadamente por rede social onde  receberam uma mensagem via WhatsApp informando a dispensa sem sequer um comunicado oficial da Prefeitura.


A forma não foi das mais gentis e vem gerando muitos comentários nas redes sociais,a decisão da Prefeitura causou indignação,até porque muitos contratados já tentaram mas não conseguiram realizar o tal cadastro dos 600,000 e quem conseguiu realizar o cadastro ficará aguardando a "ANÁLISE"sem saber se irão ser aprovados ou não alem de tudo já perderam a primeira parcela.



Segundo informações da mídia,por causa da pandemia da Covid-19, o Governo Federal tem disponibilizado vários subsídios para garantir direitos de vida a  grande parte da população brasileira, bem como um auxílio emergencial aos autônomos e aos carentes que recebem auxílio como o bolsa família.

Com o desligamento,os contratados dispensados estão se sentindo desamparados e até ultrajados nesse momento mais difícil, tanto em relação à doença quanto  financeiramente.

Os profissionais poderiam ter sido chamados para conversar ou tentar entrar em um acordo antes de dispensa-los dessa forma.

Uma sugestão para tentar manter os contratados seria:

A diminuição de salários dos contratos em até 70%, ou ainda poderia rescindir  contratos municipais de quem tem salário maior, assim como: Secretários ou Coordenadores,ou ainda tentar uma forma de colocar toda a classe de contratados, para atuar em outras áreas, seguindo todos os procedimentos necessários indicados pela OMS e Ministério da Saúde do Brasil.

URGENTE:PREFEITURA DE ITAPETINGA DISPENSA FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS

Ex-minsitro não suportou a pressão e as divergências com a metodologia adotada pelo presidente da República




Nelson Teich não suportou a pressão e as divergências com a metodologia adotada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e foi demitido do cargo de ministro da Saúde. Ele é o segundo a deixar o cargo durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19)


Esta matéria está em atualização.......

Nelson Teich é demitido por Bolsonaro do Ministério da Saúde


O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a devolução do auxílio emergencial de R$ 600 pago irregularmente a militares, pensionistas e anistiados integrantes da folha de pagamento do Ministério da Defesa.

 Segundo o governo, cerca de 73,2 mil militares ativos, inativos, de carreira, temporários, pensionistas, dependentes e anistiados receberam o auxílio. 

O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) apoiou a decisão do TCU. A reportagem é de Pedro Pincer, da Rádio Senado.


Baixar Audio
Fonte: Agência Senado

TCU: Auxílio emergencial pago irregularmente a militares tem de ser devolvido


Tiros e correria, na noite desta quinta-feira (14),teria deixado uma criança e um adulto feridos, no bairro Vila Rosa, em Itapetinga no sudoeste da Bahia.

De acordo com informações relatadas nas redes sócias,populares deram conta de que ouviram vários estampidos (som forte, explosivo) dos tiros que teriam se originado nas imediações de um posto de saúde na localidade.

Apos os disparos pessoas chegaram até ao local para checar o que teria acontecido e encontraram duas pessoas baleadas e caídos no chão.As duas pessoas possivelmente feridas por arma de fogo,uma delas seria uma criança de idade ignorada que teria sido atingida na mão, enquanto que um  homem sofreu ferimento no adome.

O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de imediato foi acionado e ao chegarem minutos depois encaminharam os dois feridos para a Santa Casa de Misericórdia HCR/Fundação José Silveira.

Ainda é desconhecido a causa ou motivação do tiroteio.

A Polícia Militar foi acionada e está fazendo incursões em todo  bairro Vila Rosa e nos bairros vizinhos, no intuito de localizar ou obter pista dos possíveis atiradores.






TIROS E CORRERIAS DEIXA CRIANÇA E ADULTO FERIDOS NO BAIRRO VILA ROSA


De acordo com informações postada na  Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Itapetinga.(Ascom), aconteceu na quarta-feira (13) a sessão virtual da Câmara Municipal de Itapetinga onde na oportunidade aprovou a Moção de Aplauso Nº 011/20, de autoria da Mesa Diretora, que presta homenagem ao Tiro de Guerra 06-023 pela relevante contribuição da instituição nas barreiras sanitárias instaladas como medida de controle à Covid-19 no município.

Conforme o texto aprovado, o efetivo do Tiro de Guerra tem contribuído de forma significativa nesse momento crítico de enfrentamento ao novo coronavírus, atuando no controle da entrada e saída de veículos da cidade e orientando a população sobre as medidas emergenciais adotadas para evitar o surgimento de novos casos e possível propagação do vírus.

Assim sendo nessa mesma data também concedeu a Moção de Aplauso Nº 010/20, de autoria da Mesa Diretora, que homenageia a Coordenadoria Municipal de Trânsito (Comutran) pelos serviços prestados à comunidade itapetinguense nesse período de distanciamento social contra o novo coronavírus.

“Os profissionais da Comutran têm colaborado na manutenção das barreiras sanitárias nas rodovias que ligam o município de Itapetinga a Itororó, Macarani e Itambé”, afirmam os autores no texto aprovado.

De acordo com o texto aprovado, o trabalho dos agentes da Comutran no combate à Covid-19 tem sido constante para fortalecer a esperança de toda a população em dias melhores.



Câmara aprova moção de aplauso para o Tiro de Guerra e Comutran

Caberá à pasta de Tereza Cristina a definição do Plano Anual de Outorga Florestal e também determinar quais áreas serão submetidas à concessão florestal



    (imagem Ciclo vivo)


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) transferiu do Ministério do Meio Ambiente, de Ricardo Salles, para o Ministério da Agricultura, de Tereza Cristina, a competência para realizar concessões de florestas públicas em âmbito federal.
A decisão está em decreto publicado nesta quinta-feira (14) e altera a lei que trata da gestão de florestas públicas e do Serviço Florestal Brasileiro.
O texto transfere do Meio Ambiente para a Agricultura, Pecuária e Abastecimento a competência de formular estratégias, políticas, planos e programas para a gestão de florestas públicas.
Caberá à pasta de Tereza Cristina a definição do Plano Anual de Outorga Florestal e também determinar quais áreas serão submetidas à concessão florestal. O ministério também poderá estabelecer os termos de licitação e os critérios de seleção, operacionalizar os procedimentos licitatórios e celebrar contratos.
A medida foi criticada por ambientalistas, que veem uma resposta ao adiamento da votação da MP 910, de regularização fundiária - conhecida como MP da grilagem.
Nesta semana, o governo e setores do agronegócio sofreram um revés depois que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), propôs a substituição da MP, que perde validade na próxima terça (19), por um projeto de lei, de tramitação mais lenta.
Maia se comprometeu a votar a nova proposta já na quarta-feira (20), mas o adiamento irritou parlamentares ligados ao governo, entre eles líderes do centrão, e também deputados alinhados com o agronegócio.
Ambientalistas interpretam a edição do decreto como uma forma de o governo conseguir fazer concessões de florestas públicas com as áreas que ficarem de fora da grande regularização fundiária que a MP e o futuro projeto de lei promovem.
O texto amplia em 300% as terras sujeitas à regularização -um salto de 19,6 milhões de hectares para até 65 milhões de hectares. Também facilita o processo, como a dispensa de vistoria para imóveis de até seis módulos fiscais (a unidade de medida de área economicamente viável corresponde a 660 hectares no caso de terras na Amazônia). Atualmente, a dispensa vale apenas para imóveis de até quatro módulos fiscais.
Na avaliação dos ambientalistas, "vai sobrar muita floresta pública para concessão". Eles temem que áreas florestais que não forem protegidas e terras indígenas sejam regularizadas ou concedidas.
A decisão também ocorre depois de o governo ter retirado da esfera do Ministério do Meio Ambiente o Cadastro Ambiental Rural, principal instrumento do Código Florestal, e o próprio Serviço Florestal Brasileiro.
O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), relator do projeto de licenciamento ambiental em tramitação na Câmara, critica a transferência. "Passar a competência da concessão de florestas para o ministério da agricultura é incompatível com a boa prática internacional e inexplicável", afirmou. "A mudança trará insegurança para investidores e possível prejuízo ambiental. O Brasil fica cada vez mais longe dos critérios para ingresso na OCDE [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico]."

Bolsonaro dá ao ministério da Agricultura poder de conceder florestas públicas

   (Imagem reprodução Google blogs variados)
Se engana quem acredita que a pandemia do novo coronavírus pode acabar de uma hora para a outra. Com mais de 4 milhões de infectados e quase 300 mil mortes pelo mundo, a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, alertou que podemos levar de 4 a 5 anos para que o vírus seja controlado. No Brasil, pico de mortes pela pandemia pode ser em julho.
A informação foi passada pela cientista em uma conferencia digital do Financial Times, jornal britânico. Soumya disse que a mutação do novo coronavírus é um dos fatores que explica sua afirmação.
Conforme Soumya, embora cientistas do mundo todo estejam focados em busca de informações sobre o vírus, pouco se sabe sobre ele. “Não temos uma bola de cristal. Eu diria que em quatro ou cinco anos podemos estar controlando a situação“, avaliou a cientista.

Vacina contra o coronavírus seria a solução, mas com apoio da população

Apesar disso, a cientista-chefe da OMS também alertou que a pandemia pode piorar. A criação de uma vacina, segundo ela, ajudaria e seria a melhor saída, mas até isso pode estar em jogo, pois, segundo a especialista, o vírus pode mudar e uma vacina criada e regulamentada não ser mais eficaz quando passar a ser usada.
Ainda que houvesse a criação de uma vacina, o diretor-executivo da OMS, Michael Ryan, em entrevista em Genebra, disse que a população também precisa colaborar. “Desculpem se pareço cínico, mas vejam quantas doenças poderíamos ter eliminado com vacinas perfeitamente eficazes, como a do sarampo, e não o fizemos. Podemos até descobrir, produzir e entregar, mas as pessoas precisam também tomar as vacinas”, disse.
Segundo Ryan, a OMS trabalha com a possibilidade de que o vírus, assim como muitos outros, continue entre nós e que a humanidade precise conviver com ele. Da mesma forma que acontece com o HIV, por exemplo. “Com tratamentos corretos, pode se tornar um vírus que não provoca mais pânico. Mas no momento é um patógeno novo, chegando aos humanos pela primeira vez, e é impossível estimar por quanto tempo ele ficará entre nós”.

​Pico de mortes por coronavírus no Brasil pode ser em julho

Ainda nesta quarta-feira, dados divulgados pelo IHME, instituto de métrica da Universidade de Washington, previram que 88.305 pessoas podem morrer pela Covid-19 no Brasil até 4 de agosto. O modelo, que é um dos principais usados pela Casa Branca, monitora os números sobre o coronavírus.
Na projeção, os brasileiros podem enfrentar um cenário bastante sombrio nos próximos meses. Conforme os dados do IHME, o pico de mortes diárias no Brasil pode ser no dia 1 de julho, com 1.024 óbitos em 24 horas.

Coronavírus pode levar 5 anos para ser controlado, afirma cientista da OMS


Imbuídos da vontade de ajudar o próximo neste momento difícil que o mundo está enfrentando, os policiais da 8ª CIPM lotados no DPM de Caatiba, cidade de cobertura do 3º Pelotão da Unidade, arrecadaram alimentos junto à Comunidade local para serem doados a famílias carentes do município. 

Ao total, foram arrecadadas sete cestas básicas, que foram distribuídas nesta terça-feira (12/05) para sete famílias da cidade.
PM e Comunidade juntos na Corrente do Bem!


8ª CIPM 










PM doa cestas básicas para famílias de Caatiba


A Bahia registra 6.547 casos confirmados de Covid-19, o que representa 31,05% do total de casos notificados no estado. Considerando o número de 1.790 pacientes recuperados e 236 óbitos, 4.521 pessoas permanecem monitoradas pela vigilância epidemiológica e com sintomas da Covid-19, o que são chamados de casos ativos.

Os casos confirmados ocorreram em 183 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (69,71%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 1.000.000 habitantes são Ipiaú (2.310,73), Uruçuca (2.114,35), Ilhéus (2.045,25), Itabuna (1.725,89) e Salvador (1.514,09).

Na Bahia, 643 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.

O boletim epidemiológico registra 10.864 casos descartados e 21.086 notificações em toda a Bahia. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais.

Taxa de ocupação

Na Bahia, dos 1.194 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para Covid-19, 530 possuem pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 44%. No que se refere aos leitos de UTI adulto e pediátrico, dos 455 leitos exclusivos para o coronavírus, 264 possuem pacientes internados, compreendendo uma taxa de ocupação de 56,4%. Cabe ressaltar que o número de leitos é flutuante, representando o quantitativo exato de vagas disponíveis no dia. Intercorrências com equipamentos, rede de gases ou equipes incompletas, por exemplo, inviabilizam a disponibilidade do leito. Ressalte-se que novos leitos são abertos progressivamente mediante o aumento da demanda.

Exames

O Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) realizou 29.768 exames do tipo RT-PCR, que é o padrão ouro para identificar o genoma viral do coronavírus, no período de 1° de março a 13 de maio de 2020. Atualmente, 2.029 amostras estão em análise laboratorial e os exames são liberados em até 48 horas.

Óbitos

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contabiliza 236 mortes pelo novo coronavírus em 40 municípios. Estes números contabilizam todos os registros de janeiro até as 17 horas desta quarta-feira (13).

226º óbito: mulher, 77 anos, residente em Salvador, com histórico de hipertensão e doença pulmonar crônica. Veio a óbito no dia 09/05, em domicílio.

227º óbito: mulher, 92 anos, residente em Ilhéus, sem comorbidades. Veio a óbito no dia 09/05, em hospital público em Ilhéus.

228º óbito: homem, 60 anos, residente em Maragogipe, com histórico diabetes, hipertensão e doença renal crônica. Veio a óbito dia 07/05, em hospital público em Salvador.

229º óbito: mulher, 88 anos, residente em Simões Filho, com histórico diabetes e hipertensão, veio a óbito dia 07/05, em hospital público em Simões Filho.

230º óbito: mulher, 66 anos, residente em Salvador, portadora de Diabetes. Veio a óbito dia 10/05, em hospital público em Salvador.

231º óbito: mulher, 49 anos, residente em Salvador, tendo comorbidades: diabetes, hipertensão arterial, hipotireoidismo, e imunossupressão. Veio a óbito no dia 11/05, em hospital público em Salvador.

232º óbito: homem, 65 anos, residente em Ilhéus, portador de diabetes e doença cardiovascular. Veio a óbito no dia 07/05, em hospital público em Ilhéus.

233º óbito: mulher, 69 anos, residente em Salvador, portadora de insuficiência cardíaca e diabetes. Veio a óbito no dia 12/05, em hospital privado em Salvador.

234º óbito: homem, 43 anos, sem comorbidades, residente em Jequié. Foi transferido para hospital público em Salvador e veio a óbito durante a transferência, em 10/05.

235º óbito: mulher, 47 anos, residente em Ilhéus, portadora de doença cardiovascular crônica e doença hematológica também crônica. Veio a óbito em hospital público em Itabuna, no dia 08/05.

236º óbito: homem, 61 anos, residente em Simões Filho, comorbidade diabetes. Veio a óbito no dia 07/05, em hospital da rede pública em Salvador.

Faixa etária

Quanto ao sexo dos casos confirmados, 51,04% foram do sexo feminino. A faixa etária mais acometida foi a de 30 a 39 anos, representando 26% do total. O coeficiente de incidência por 1.000.000 de habitantes foi maior na faixa etária de 80 e mais (823,81/1.000.000 habitantes), indicando que o risco de adoecer foi maior nesta faixa etária, seguida da faixa de 30 a 39 anos (741,90/1.000.000 habitantes).

Ressaltamos que os números são dinâmicos e, na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam, os casos são reavaliados, sendo passíveis de reenquadramento na sua classificação. Outras informações em saude.ba.gov.br/coronavirus.

Para acessar o boletim completo, com a lista de municípios com casos confirmados, clique aqui.

De acordo com a nota técnica n° 54 (disponível em saude.ba.gov.br/coronavirus), as unidades de saúde devem realizar a coleta de amostras somente quando o caso suspeito de Covid-19 se enquadrar nos critérios abaixo:

Biologia molecular (RT-PCR em tempo real, detecção do vírus SARS-CoV2)
1. Pacientes internados com suspeita de Covid-19;
2. Pacientes com síndrome respiratória aguda grave (SRAG);
3. Profissionais de saúde com síndrome gripal suspeitos de Covid-19, ou que tiveram contato com casos confirmados de Covid-19 mesmo assintomáticos;
4. Pacientes que foram a óbito com suspeita de Covid-19 cuja coleta não pôde ter sido realizada em vida;
5. Indivíduos institucionalizados durante investigação de surtos de Covid-19.

Teste Rápido Sorológico (para detecção de anticorpos)
a) Pacientes com quadro clínico-epidemiológico compatível com Covid-19;
b) Profissionais de segurança pública e de saúde em atividade, independente de sintomas;
c) Contato domiciliar de profissional de saúde ou de segurança pública em atividade, independente dos sintomas;
d) Pessoas com 60 anos ou mais, sintomáticos ou não, residentes em instituições de longa permanência de idosos, ou portadores de comorbidades de risco para complicação de Covid-19.
Obs.: No caso de uso de testes sorológicos para investigação de pacientes sintomáticos, com quadro clínico-epidemiológico compatível com Covid-19, o teste rápido sorológico deverá ser realizado pelo menos sete dias após o início dos sintomas.


Sesab

Bahia registra 6.547 casos confirmados de Covid-19 e 236 óbitos

STF tornou público os testes realizados pelo presidente da República, que utilizou pseudônimos por questões de segurança

Os testes feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para detectar a presença do novo coronavírus deram resultados negativos. Os exames foram divulgados nesta quarta-feira (14) depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)  Ricardo Lewandowski mandou dar publicidade ao resultados. Bolsonaro usou dois codinomes para fazer os exames: Airton e Rafael.

Em sua decisão, Lewandowski disse: “Determino a juntada aos autos eletrônicos de todos os laudos e documentos entregues pela União em meu Gabinete, aos quais se dará ampla publicidade”.
Bolsonaro informou que realizou o teste para Covid-19 duas vezes, ambas em março, e os resultados deram negativos. Entre 7 e 10 de março, o presidente Bolsonaro esteve em viagem oficial aos Estados Unidos e 23 pessoas de sua comitiva contraíram o coronavírus.
Na noite desta terça-feira (12), a AGU (Advocacia-Geral da União) encaminhou ao ministro do STF os resultados dos exames feitos por Bolsonaro. “Os laudos confirmam que o presidente testou negativo para a doença”, disse o órgão em nota. A decisão ocorreu antes que a Corte analisasse a ação.
Exames de Jair Bolsonaro para Covid-19 forma publicados nesta quarta-feira (13)- Foto: Divulgação/ND

Exames de Bolsonaro para Covid-19 têm resultado negativo



Em sessão remota nesta terça-feira (12), o Plenário do Senado aprovou o projeto que proíbe a inscrição de consumidores inadimplentes em cadastros negativos durante o estado de calamidade devido à pandemia do coronavírus (PL 675/2020).

 A matéria foi aprovada por 72 votos a 4 na forma de um substitutivo apresentado pela relatora, senadora Rose de Freitas (Podemos-ES). Como foi modificado no Senado, o projeto retorna para nova análise da Câmara dos Deputados.

De iniciativa dos deputados Denis Bezerra (PSB-CE) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG), o projeto suspende a inscrição de consumidores em bancos de informação como o Serasa e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). A suspensão é retroativa para casos de inadimplência registrados após 20 de março — data em que foi aprovado o estado de calamidade.

Segundo os autores, o objetivo do projeto é garantir que os atingidos pela pandemia permaneçam com acesso a crédito.

Rose de Freitas defendeu a aprovação da proposta, que evita consumidores que se tornem temporariamente inadimplentes “em face dos efeitos econômicos adversos das medidas de isolamento social, especialmente aqueles afetados pela perda de renda informal, redução de salários ou suspensão de contratos de trabalho, sejam, também, penalizados pela perda de linhas de crédito em função do registro de informações negativas”.

— Entre os objetivos do projeto constam o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e a harmonia das relações de consumo — argumentou a relatora.

Mudanças

Rose de Freitas registrou que as mudanças do seu substitutivo têm o objetivo de aprimorar o texto. Foram apresentadas 20 emendas, das quais a relatora acatou 17, de forma total ou parcial.
O projeto original previa a suspensão da inscrição dos consumidores inadimplentes por 90 dias.

Com base em várias emendas, a suspensão agora vai vigorar enquanto durar o período de calamidade — previsto até o fim do ano. A relatora também acatou a sugestão do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) para que o registro de informações negativas de consumidores durante a pandemia seja feito de maneira apartada dos cadastros normais.

 Transcorrido o prazo de calamidade, o cadastro volta à situação ordinária, exceto se houver pedido de renegociação por parte do devedor.

Pelo substitutivo, conforme emenda do senador Marcos Rogério (DEM-RO), fica suspensa a execução de títulos e outros documentos de dívida. Por sugestão do senador Angelo Coronel (PSD-BA), a inscrição nos cadastros negativos não poderá ser usada para restringir o acesso específico a linhas de crédito.

Outra emenda acatada, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), estabelece que os bancos públicos deverão disponibilizar linhas especiais de crédito de até R$ 10 mil para a renegociação de dívidas dos consumidores inscritos nos registros de informações negativas.
— Trata-se de medida importante para as famílias que se veem afetadas pela pandemia — afirmou a relatora.
Rose de Freitas ainda incorporou ao substitutivo uma emenda do senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) para prever que eventuais multas e valores arrecadados em cumprimento do projeto serão destinados às medidas de combate à covid-19, obrigatoriamente na área da saúde, para aquisição de medicamentos, insumos, materiais e equipamentos.

Garantia

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) elogiou o trabalho da senadora Rose de Freitas e classificou o projeto como “importante, pois vai permitir o crédito fluir”. Ele disse que a matéria é uma forma de “garantia” ao consumidor, durante a crise do coronavírus. Outros senadores, como Otto Alencar (PSD-BA) e Daniella Ribeiro (PP-PB), elogiaram a qualidade do relatório. O senador Rogério Carvalho (PT-SE) disse que Rose fez um belíssimo trabalho, enquanto Marcos Rogério classificou como “brilhante” o texto da relatora.

Alguns senadores, no entanto, questionaram o mérito da proposta. Para o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), o projeto é perigoso e vai fazer “mais mal que bem”, pois os comerciantes terão de “decidir no escuro”. Ele chegou a pedir a retirada do projeto, para que o assunto fosse discutido com mais profundidade.

Na opinião do senador Telmário Mota (Pros-RR), o projeto é uma espécie de “lobo em pele de cordeiro”, pois pode servir de incentivo ao calote. O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) reconheceu que o projeto é “bem intencionado”.

Ele apontou, porém, que a proposta pode “prejudicar o sistema”. Segundo o senador, o comércio pode preferir não vender com as condições colocadas pelo projeto.
— O mercado não vai vender sem garantia. Com certeza, haverá redução de crédito. Quem é que vai vender sem ter a garantia de que não vai receber? — questionou o senador, ao anunciar voto contrário à matéria.

Por tratarem do mesmo tema, dois projetos foram anexados à matéria aprovada nesta terça: o PL 1.722/2020, do senador Jaques Wagner (PT-BA), e o PL 1.852/2020, de autoria do senador Roberto Rocha (PSDB-MA). As duas propostas foram arquivadas.


Fonte: Agência Senado

Cadastro negativo de consumidor durante a pandemia pode ser suspenso

   (Imagem reprodução/Google)

Foi divulgado pelo Ministério da Economia que no mês de abril, houve um aumento de 22,1% nos pedidos do seguro-desemprego em comparação com o mesmo período do ano passado.

 Abril de 2020 registrou 748 mil pedidos e em 2019 foram 613 mil. Somando todos os requerimentos deste ano, já são mais de 2,3 milhões de solicitações, representando aumento de 1,3% quando comparado com 2019.

O mês de abril também obteve mais pedidos que o mês anterior. Foram 537 mil pedidos em março.
O governo projeta que ainda sejam registrados 250 mil pedidos, pois o trabalhador tem o prazo de até 120 dias para solicitar o benefício.
Outro empecilho para a realização dos pedidos foram as suspensões do atendimento presencial, devido as medidas de isolamento decorrentes da pandemia nos meses de março e abril. Em abril, o número de pedidos represados chegou a 200 mil.
No entendimento da secretaria do Trabalho muitos trabalhadores preferem fazer o pedido do seguro de forma presencial. Porém, sem outra opção no momento, em abril, os requerimentos pela internet registraram 87% do todo.
Em comparação com março, somente 32,4% dos pedidos foram realizados online. Já em abril do ano passado, o índice era infinitamente menor, de apenas 1,7%.
“Os requerimentos podem feitos de forma 100% digital e não há espera para concessão de benefício. No entanto, os dados indicam que esses trabalhadores aguardam a abertura das unidades do Sine, que são de administração municipal e estadual e que estão sem atendimento presencial devido às medidas de isolamento social decorrentes da pandemia da Covid-19”, constatou a nota divulgada pela secretaria.

Perfil dos pedidos do seguro desemprego

Uma pesquisa mostra que a maioria dos trabalhadores que solicitam o seguro-desemprego são homens, 57,1% e a idade predominante é a de 30 a 39 anos que representa 33,1% do total de pedidos. O nível de escolaridade da maioria dos solicitantes é ensino médio completo.
Falando dos setores, o que conta com o maior número de pedidos do seguro-desemprego é o setor de serviços com 41,6% dos requerimentos. Em seguida aparece o comércio com 27,7%, a indústria 19,9% e por fim, agropecuária com 3,3%.
Na última segunda, Carlos da Costa o secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, comunicou que cerca de 6,2 milhões de pessoas aderiram à medida provisória que autoriza a redução de salário e a suspensão do contrato de trabalho.

Pedidos do seguro desemprego tem crescimento INCRÍVEL em 1 ano

Com a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), as máscaras de proteção tornaram-se indispensáveis hoje em dia. 





Na tarde desta segunda-feira (12) a equipe de jornalismo do Itapetinga Acontece,se deparou com acessórios jogados nas ruas em diversos pontos da cidade como: na Avenida Cinquentenário,na 

Avenida Rivadávia Ferraz,na Avenida Luís Viana Filho,na Rua Dom Pedro II entre outras localidades.

Apesar das constantes orientações por parte do  OMS (Organização Mundial de Saúde) sobre a utilização de máscaras no contexto da COVID-19,em como as formas de prevenção e riscos do Coronavírus , a orientação é de que estes itens devem ser descartados no lixo, não nas ruas e calçadas mas infelizmente existem aqueles que estão na contramão da realidade e não estão levando a sério os riscos de contaminação. 

Em Itapetinga,cidade localizada no Sudoeste da Bahia ,o item é de uso obrigatório para todos os cidadãos do município em qualquer ambientes público ou estabelecimentos comerciais que estão autorizados a funcionar. 

No entanto, com a adesão da população a esta medida, um novo problema tem ocorrido: o descarte irregular de acessórios,não é novidade notar que muitas pessoas está usando as máscaras de forma irregular como:(pescoço,queixo,orelha ,mão) e muitas vezes usam com o nariz para fora da mascara.

Descartar esses acessórios  nas ruas, é uma irresponsabilidade sem precedentes afinal a luta é de todos nos, e atitudes simples poderá evitar a proliferação do Covid-19. 

Existe um jeito certo – e seguro – para descartar a máscara, segundo orientações da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental.

Para o descarte é preciso usar dois saquinhos plásticos – um dentro do outro. Ao retirar a máscara do rosto, segure apenas pelo elástico e lave as mãos antes e depois. Com a máscara lá dentro, é só amarrar bem e jogar no lixo do banheiro.

CUIDADOS COM A HIGIENIZAÇÃO
A máscara de pano precisa ser lavada, sempre depois de utilizada. Conforme recomendação da Associação, para realizar este processo de higienização, pode-se usar água e sabão ou deixar de molho, por 30 minutos, numa solução de água com água sanitária. Depois, é só deixar secar.

    Avenida Rivadávia Ferraz,

     Avenida Luís Viana Filho

    Avenida Cinquentenário

    Rua Dom Pedro II

    Avenida Cinquentenário













Itapetinga:Máscaras usadas são descartadas em vias públicas

O governador baiano usou as redes sociais para reforçar que não vai atender ao decreto do presidente.



O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que o decreto de Jair Bolsonaro (sem partido) ampliando os serviços essenciais, publicado no Diário Oficial desta segunda (11), não vai mudar nada no estado durante a pandemia. 

“A Bahia vai ignorar isso. Manteremos o nosso padrão de trabalho, [que] é responsável. O objetivo é salvar vidas”, disse o petista, acrescentando: “Todas as medidas legais serão adotadas para manter o isolamento”.

Rui usou as redes sociais para reforçar que não vai atender ao decreto do presidente. “As nossas medidas restritivas serão mantidas respeitando critérios científicos reconhecidos mundialmente. A Bahia vai ignorar as novas diretrizes do governo federal. Manteremos nosso padrão de trabalho e responsabilidade. O objetivo é salvar vidas. Não iremos nos afastar disso”.
Até as 17h deste segunda, a Bahia já tinha registrado 5.816 casos confirmados de Covid-19. O número de pacientes recuperados chega a 1.418 e o de óbitos a 214, sendo que 4.184 pessoas permanecem monitoradas pela vigilância epidemiológica e com sintomas de infecção por coronavírus, o que são chamados de casos ativos.
Jornal da Chapada

Bahia não vai atender decreto do presidente ampliando serviços essenciais diz governador

Redação Email:[email protected] Contato/ DDD 077 9 9117-0827