Participe do nosso grupo no Whats.....envie entrar (77)991170827 Sobreviventes da queda de um avião na Bahia têm traumas e queimaduras; criança está entre feridos - Itapetinga Acontece
                                                                       (Foto: Tailane Muniz/CORREIO)

Cinco dos nove sobreviventes da queda de um avião, na tarde desta quinta-feira (14), na praia de Barra Grande, distrito de Mauraú, no Baixo Sul do estado, seguem internadas nesta sexta-feira (15) no Hospital Geral do Estado (HGE). Os feridos têm traumas diversos, além de queimaduras pelo corpo. 
Eles foram identificados como Eduardo Trajano, 38, Fernando Oliveira Vieira Silva, 26, Marie Cavelan, 27, Eduardo Mussi Ferreira, 33, e Eduardo Brandão, 6. A criança é filha da jornalista Marcela Brandão Elias, 37. 


Outras quatro vítimas estão internadas em outras unidades de saúde da capital. Três delas serão transferidas do Hospital Municipal de Salvador para o HGE ainda nesta sexta.  Outra pessoa está internada no Hospital do Subúrbio. Ao todo, 10 pessoas estavam no bimotor Cessna Aircraft modelo 550. Não há detalhes sobre o estado de saúde de cada uma das vítimas. 
Informações preliminares dão conta de que a aeronave caiu quando se preparava para pousar na pista do resort Kiara Eco-Luxury, por volta das 14h. 
Após a queda, apenas Marcela ficou presa aos destroços. As demais vítimas conseguiram abandonar a aeronave antes que o fogo tomasse força. Ainda assim, foram queimadas. As vítimas foram trazidas até Salvador por helicópteros do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer).
Os feridos chegaram a receber os primeiros socorros em postos de saúde de Barra Grande, mas precisaram ser transferidos dada a gravidade das queimaduras.
O Graer foi acionado por volta das 15h30 e chegou em Maraú 40 minutos após o chamado. A unidade utilizou o avião Grand Caravan com aparato médico a bordo, e dois helicópteros para a remoção imediata para unidades hospitalares em Salvador.
O avião pousou no aeroporto de Salvador com quatro vítimas, um helicóptero pousou no hospital municipal de Salvador, com três vítimas e o outro helicóptero no heliponto do Departamento de Polícia Técnica (DPT). "Todas as vítimas em estado grave foram encaminhadas por ambulâncias do Samu para hospitais de Salvador", afirmou a PM, em nota. 
“O deslocamento por via terrestre, estimado em pelo menos 5 horas, elevaria os riscos para as vítimas, por isso o transporte nas aeronaves da Polícia Militar foi fundamental para uma prestação de socorro ágil e segura”, destacou um dos pilotos, o capitão PM Marcel Mutti.
Entre os sobreviventes, também está o ex-piloto da Stock Car, Tuka Rocha, 36 anos.
Investigação
Segundo a delegada de Barra Grande, Andréa Oliveira, policiais da Delegacia de Maraú realizaram os levantamentos iniciais sobre a queda da aeronave.
Já a FAB disse que investigadores do Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA II), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), irão se deslocar para realizar a Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave, informou o portal G1.
A Ação Inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de coletar dados. 

Sobreviventes da queda de um avião na Bahia têm traumas e queimaduras; criança está entre feridos

                                                                       (Foto: Tailane Muniz/CORREIO)

Cinco dos nove sobreviventes da queda de um avião, na tarde desta quinta-feira (14), na praia de Barra Grande, distrito de Mauraú, no Baixo Sul do estado, seguem internadas nesta sexta-feira (15) no Hospital Geral do Estado (HGE). Os feridos têm traumas diversos, além de queimaduras pelo corpo. 
Eles foram identificados como Eduardo Trajano, 38, Fernando Oliveira Vieira Silva, 26, Marie Cavelan, 27, Eduardo Mussi Ferreira, 33, e Eduardo Brandão, 6. A criança é filha da jornalista Marcela Brandão Elias, 37. 


Outras quatro vítimas estão internadas em outras unidades de saúde da capital. Três delas serão transferidas do Hospital Municipal de Salvador para o HGE ainda nesta sexta.  Outra pessoa está internada no Hospital do Subúrbio. Ao todo, 10 pessoas estavam no bimotor Cessna Aircraft modelo 550. Não há detalhes sobre o estado de saúde de cada uma das vítimas. 
Informações preliminares dão conta de que a aeronave caiu quando se preparava para pousar na pista do resort Kiara Eco-Luxury, por volta das 14h. 
Após a queda, apenas Marcela ficou presa aos destroços. As demais vítimas conseguiram abandonar a aeronave antes que o fogo tomasse força. Ainda assim, foram queimadas. As vítimas foram trazidas até Salvador por helicópteros do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer).
Os feridos chegaram a receber os primeiros socorros em postos de saúde de Barra Grande, mas precisaram ser transferidos dada a gravidade das queimaduras.
O Graer foi acionado por volta das 15h30 e chegou em Maraú 40 minutos após o chamado. A unidade utilizou o avião Grand Caravan com aparato médico a bordo, e dois helicópteros para a remoção imediata para unidades hospitalares em Salvador.
O avião pousou no aeroporto de Salvador com quatro vítimas, um helicóptero pousou no hospital municipal de Salvador, com três vítimas e o outro helicóptero no heliponto do Departamento de Polícia Técnica (DPT). "Todas as vítimas em estado grave foram encaminhadas por ambulâncias do Samu para hospitais de Salvador", afirmou a PM, em nota. 
“O deslocamento por via terrestre, estimado em pelo menos 5 horas, elevaria os riscos para as vítimas, por isso o transporte nas aeronaves da Polícia Militar foi fundamental para uma prestação de socorro ágil e segura”, destacou um dos pilotos, o capitão PM Marcel Mutti.
Entre os sobreviventes, também está o ex-piloto da Stock Car, Tuka Rocha, 36 anos.
Investigação
Segundo a delegada de Barra Grande, Andréa Oliveira, policiais da Delegacia de Maraú realizaram os levantamentos iniciais sobre a queda da aeronave.
Já a FAB disse que investigadores do Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA II), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), irão se deslocar para realizar a Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave, informou o portal G1.
A Ação Inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de coletar dados. 

Nenhum comentário