Pesquisar

sexta-feira, 19 de abril de 2019

O fantasma da greve dos caminhoneiros



Na nota divulgada ontem, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informa que a categoria se pronunciará oficialmente novamente na próxima segunda-feira após reunião de representantes da entidade com o ministro da Infraestrutura, 

Leia este conteúdo na integra em: O fantasma da greve dos caminhoneiros


Morre, aos 40 anos, o cantor MC Sapão após nove dias internado

Sapão deixa esposa, Alessandra Fernandes, e quatro filhos: Pedro, de 15 anos, Kevin, de 12, Odara, de 10, e Brisa, de 7

Morreu, na tarde desta sexta-feira (19/04/19), Jefferson Fernandes Luiz, conhecido como MC Sapão. O cantor estava internado desde o dia 10 de abril com um quadro de pneumonia. O hospital e a família ainda não divulgaram as causas da morte.
MC Sapão começou a carreira aos 18 anos quando compôs o sucesso Eu Sei Cantar. Em 2014, ele gravou o single Vou Desafiar Você, que teve mais de 30 milhões de visualizações no YouTube. Em 2012, estourou com a música Rei do Baile.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Venezuelanos são resgatados pela PF de situação de trabalho análogo à escravidão na Bahia



Dez trabalhadores venezuelanos foram resgatados de situação de trabalho análogo à escravidão, na manhã desta quinta-feira (18), no município de Itabuna, no sul da Bahia. Segundo a Polícia Federal (PF), um brasileiro e um polonês foram presos suspeitos de manter os venezuelanos no local.
Ainda de acordo com a PF, conforme apurado, os venezuelanos eram atraídos para o Brasil através de anúncios de emprego na internet, com promessas de salários de até 400 dólares para trabalhar na manutenção de brinquedos de um parque de diversões. As passagens eram custeadas pelo aliciador e os valores gastos já passavam a compor, logo na chegada, a “dívida” dos trabalhadores, que era descontada dos seus salários. Os aliciadores ainda descontavam o valor do alojamento, à alimentação e à utilização de energia elétrica e internet, de forma que os trabalhadores acabavam submetidos a uma espécie de servidão decorrente das dívidas.
Segundo a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) do Governo do Estado, uma equipe técnica da Coordenação de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Combate ao Trabalho Escravo (CETP) da SJDHDS acompanha o caso e fará o atendimento às vítimas. 
"Vamos avaliar e estudar a maneira mais adequada de acolhimento dessas vítimas, que estavam atuando de maneira análoga à escravidão, sem direitos e condições adequadas para o exercício das atividades. Nosso objetivo é proteger a vítima neste primeiro momento", afirmou o coordenador do CETP/SJDHDS, Admar Fontes.
Os venezuelanos resgatados foram conduzidos à Polícia Federal, prestaram depoimento em relação aos fatos, formalizaram seus pedidos de refúgio. Os presos responderão pelos crimes de redução a condição análoga à de escravo e de tráfico de pessoas, cujas penas, somadas, podem chegar a 16 anos de reclusão.
O resgate de trabalhadores é resultado de um trabalho conjunto, desenvolvido pela SJDHDS, Policia Federal, Superintendência Regional do Trabalho, Defensoria Pública da União, Ministério Público do Trabalho e Prefeitura Municipal. 


terça-feira, 16 de abril de 2019

Whindersson Nunes passa por cirurgia no bumbum e faz piada: “C* novo, vida nova”

Humorista ainda anunciou que aproveitará o período de recuperação para descansar da rotina exaustiva


Na tarde desta terça (16), Whindersson Nunes anunciou no Instagram que precisará passar por uma cirurgia no ânus, o que foi confirmado também pela assessoria de imprensa do artista.

"Vou operar o t*** daqui 25 minutos. To falando sério. Tava sentindo uma dor na beirada do for***, fui no médico e ele disse que tinha que operar urgente! Mas era só o que me faltava", escreveu na legenda da foto.

Número de mortos no desabamento de prédios no Rio chega a 15

Segundo a prefeitura do Rio, os prédios não tinham autorização para serem construídos e as obras foram interditadas e embargadas em novembro




Mais de 96 horas após o desabamento de dois prédios na comunidade da Muzema, no bairro Itanhangá, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, o número de mortes subiu para 15. 

No quinto dia de trabalho no local, o corpo de Bombeiros retirou na manhã desta terça-feira (16/8) mais três corpos dos escombros dos edifícios. Foram encontrados os corpos de três mulheres adultas e o de um menino. Ainda na madrugada desta terça-feira, mais um corpo havia sido resgatado. Mais de 100 militares, cães farejadores, drone, helicópteros, ambulâncias e viaturas de recolhimento de cadáveres atuam na área.

Oito pessoas ficaram feridas no acidente, das quais quatro continuam internadas. Os bombeiros continuam fazendo buscas por mais desaparecidos. A Delegacia de Polícia Civil da Barra da Tijuca (16ª DP) investiga o caso.

Ontem, os corpos de Maria Silva de Abreu, 49 anos; Zenilda Bispo Amorim,  38 anos, e o filho dela, Juan Amorim Rodrigues, de 10 anos, foram sepultados.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, um homem de 46 anos que estava internado desde que foi resgatado, recebeu alta ontem (15). Outras três pessoas no entanto, permanecem internadas em unidades municipais. No Miguel Couto, estão uma mulher de 44 anos, no Centro de Terapia Intensiva (CTI), e um menino de quatro anos. Ambos têm quadro estável, porém delicado. Uma mulher de 35 anos continua internada no CTI do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. O estado é considerado grave.

A nova tragédia ocorreu na manhã da última sexta-feira (12), dias depois de fortes chuvas que deixaram 10 pessoas mortas na cidade. Ontem, a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), responsável pela investigação da atuação das milícias no Rio, afirmou que participará da apuração das causas do desabamento.Os investigadores, no entanto, estariam tendo dificuldade na oitiva dos moradores que temem represálias de milicianos, responsáveis pela exploração imobiliária na comunidade.

Segundo a prefeitura, os edifícios não tinham autorização, tendo as obras interditadas e embargadas em novembro de 2018. Além disso, a pasta afirma que foram construídos pelas milícias e, ao atuarem na região, precisam do apoio da polícia.

Os apartamentos nos prédios irregulares construídos e comercializados por milicianos são vendidos a preços abaixo do mercado. Unidades de dois quartos, com garagem, estavam sendo vendidas por valores de R$ 40 mil a R$ 100 mil. Moradores contaram que sabiam que os imóveis eram irregulares, mas que era a única forma de moradia disponível. De acordo com a Polícia Civil, equipes realizam diligências com o objetivo de identificar e ouvir vítimas e líderes comunitários.